icon

Acesso aos Resultados

  
icon

Acesso Isolantes

telephone

(19) 3243-4814

Ensaios

Uma grande variedade de ensaios podem
ser realizados no óleo lubrificante
para se obter a máxima informação
da condição do equipamento.

Análise Visual

Análise Visual

Método qualitativo de visualizar possíveis problemas com o lubrificante tais como: desgaste, oxidação, contaminação e etc.

Viscosidade Cinemática

Viscosidade Cinemática (ASTM D 445)

Um dos mais importantes testes na qual consiste em medir a resistência ao escoamento do fluído. Alterações na viscosidade podem trazer danos catastróficos ao equipamento.

TAN (ASTM D664 – D974)

TAN (ASTM D664 – D974)

Consiste em medir o total de constituintes ácidos presentes na amostra. Alterações na TAN podem indicar degradação do óleo e possíveis contaminações.

TBN (ASTM D 2896 – D 4739)

TBN é a medição do número de constituintes básicos na amostra, muito similar ao teste de TAN. Também usado para medir a degradação do lubrificante. Este teste é muito utilizado para medir a reserva alcalina no lubrificante de motores de combustão na qual é necessário para neutralizar os gases ácidos provenientes da combustão.

FTIR – Infra vermelho (ASTM E 2412)

FTIR – Infra vermelho (ASTM E 2412)

Muito utilizado para lubrificantes de motores de combustão interna. Visa identificar produtos formados durante o processo de combustão tais como: Fuligem, sulfatação, nitração, glicol, diluição por combustível e etc. Técnica também utilizada para identificar problemas relacionados a misturas de lubrificantes e outros compostos.

Água (ASTM D 1744 – D 6304)

Água (ASTM D 1744 – D 6304)

Ensaio utilizado para determinar a concentração de água presente na amostra, este contaminante é um grande vilão e pode trazer resultados catastróficos para o equipamento bem como reduzir a vida útil dos componentes e do lubrificante.

Contagem de partículas (ISO 4406 – NAS 1638)

Contagem de partículas (ISO 4406 – NAS 1638)

Ensaio utilizado para determinar o nível de contaminação do lubrificante de acordo com classes de limpeza. Muito utilizado em sistemas hidráulicos e turbinas.

Espectrometria (ASTM D 5185)

Espectrometria (ASTM D 5185)

Técnica utilizada para determinar a concentração de metais presentes na amostra. Os metais identificados podem ser devido a contaminação, desgaste e aditivação.

Ferrografia quantitativa

Ferrografia Quantitativa

Método utilizado para medir a evolução de partículas ferrosas maiores que 5 micras e menores que 5 micras. Bom indicador de evolução do desgaste em componentes ferrosos.

Ferrografia Analítica (ASTM D 7690)

Ferrografia Analítica (ASTM D 7690)

Técnica utilizada para estudar com detalhes as partículas encontradas no sistema lubrificado através do uso de microscópio ótico, esta técnica avalia a morfologia, tamanho, coloração e concentração de partículas presentes em uma lâmina e assim determina a causa raiz e severidade do problema encontrado.

Ponto de Fulgor (ASTM D 92 – D 93)

Ponto de Fulgor (ASTM D 92 – D 93)

Ensaio utilizado para medir a menor temperatura na qual um produto libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável por uma fonte externa de calor. Utilizado para motores de combustão e combustíveis.

Demulsibilidade (ASTM D 1401 / NBR 14172)

Demulsibilidade (ASTM D 1401 / NBR 14172)

Ensaio utilizado para medir a capacidade que o óleo tem de se separar da água. Muito utilizado para turbinas, compressores e sistemas hidráulicos.

Formação de espuma (ASTM D 892)

Formação de espuma (ASTM D 892)

Ensaio utilizado para medir a tendência à formação de espuma no óleo lubrificante. Aplicado normalmente em turbinas e sistemas hidráulicos.

Teste de oxidação pelo método de bomba rotativa (RBOT – ASTM D 2272)

Teste de Oxidação pelo método de Bomba Rotativa (RBOT – ASTM D 2272)

Ensaio utilizado para medir o tempo de resistência à oxidação pelo método de bomba rotativa. Muito utilizado em turbinas.

A MGM ainda oferece outros ensaios, consulte-nos para conhecer.